Como funciona a Série A do Brasileirão?

brasileirão série a sistema

Série A do Brasileirão é considerado um dos mais disputados e difíceis campeonatos do mundo

O Campeonato Brasileiro começa no dia 9 de abril, mas mesmo antes de a competição iniciar, a expectativa em torno do torneio já é enorme. O Brasileirão reúne a elite do futebol nacional e é considerado um dos campeonatos mais complicados do mundo, ao lado da Premier League, na Inglaterra, e da La Liga, na Espanha.

Para entender o brasileirão série a sistema, é preciso saber que quem organiza a competição é a CBF, a Confederação Brasileira de Futebol. É a entidade máxima do futebol, responsável por organizar o calendário das 38 rodadas e a premiação para o campeão, que no ano passado foi de 33 milhões, valor que deve ser mantido em 2022. Existem ainda mais informações disponíveis sobre o campeonato e as apostas associadas em sites como https://esporte11.com/.

Brasileirão Série A: sistema inclui 20 clubes

Disputam a competição 20 clubes espalhados pelo país. Todos jogam contra todos, em duelos de ida e volta. Como o torneio é disputado no modelo de pontos corridos, quem somar mais pontos ao final das 38 rodadas fica com a taça. Esse modelo de disputa foi adotado em 2003, após anos de duelos mata-mata, onde os 8 melhores classificados disputavam quartas, semifinal e final.

Este ano, o Brasileirão será disputado entre os dias  9 de abril a 13 de novembro, acabando mais cedo que o normal em razão da Copa do Mundo, que começa em 21 de novembro, no Catar. A tabela da competição já está definida. O atual campeão Atlético Mineiro, por exemplo, estreia contra o Internacional, jogando em Belo Horizonte.

Algo importante para a edição do Brasileirão deste ano tem a ver com a limitação na troca de técnicos. Na última edição, uma regra instituída pela CBF só permitia que um mesmo clube demitisse até dois técnicos durante o torneio. A medida tinha como objetivo diminuir o número de trocas em meio à disputa dos jogos, algo que prejudica não só os clubes, mas também os profissionais ligados ao futebol.

Neste ano, no entanto, os times, em comum acordo, decidiram apelar a CBF para derrubar a regra. A entidade concordou e o limite de técnicos não existe mais. Segundo o portal UOL, a mudança partiu do Corinthians, que alegou que a restrição era ineficaz e não havia tido efeito prático, tendo em vista que foi facilmente contornada pelos inúmeros casos de “comum acordo”. Sendo assim, os demais clubes apoiaram em unanimidade e tomaram a decisão de derrubar a regra implementada em 2021.

Não houve alterações no modo como o Brasileirão premia os times. Para além do dinheiro, recebidos pelos 16 clubes que conseguiram se manter na elite – menos os 4 rebaixados – há também as vagas destinadas às competições sul-americanas, como a Taça Libertadores e a Copa Sul-Americana.

As regras para classificação e rebaixamento também se mantêm. Ao final do campeonato, os 6 primeiros times se classificam para a Libertadores 2023. As equipes que ficam entre o 7º e o 12º lugar vão, automaticamente, para a Copa Sul-Americana 2023.

Considerado um dos campeonatos mais competitivos do mundo, o Brasileirão tem sido dominado por alguns clubes nos últimos anos. O Palmeiras, por exemplo, faturou o torneio em 2016 e 2018. O Corinthians levou em 2015 e 2017. O Flamengo ficou com a taça em 2019 e 2020. No ano passado, o título foi do Atlético Mineiro, que quebrou a hegemonia do eixo Rio-São Paulo.

Outro dado curioso é que, dos 20 times que disputam o campeonato, apenas América Mineiro, Atlético Goianiense, Avaí, Ceará, Cuiabá, Fortaleza, Goiás, Juventude e Bragantino nunca conquistaram o torneio.